Caso fortuito ou força maior e o Coronavírus Covid-19

Caso fortuito ou força maior e o Coronavírus Covid-19

caso fortuito força maior coronavirus covid 19

Com a recente crise causada pelo coronovírus Covid-19 muitas empresas passaram a ter dúvidas sobre como tratar a interrupções de contratos e se essa situação caracteriza a chamada força maior ou caso fortuito. Entender um pouco mais sobre os dois institutos, as suas consequências práticas e, principalmente, a sua aplicação em relação à crise gerada pelo coronavírus Covid-19 é o que faremos nesse artigo.

O que é caso fortuito e força maior

Imagine-se indo trabalhar: é de manhã cedo e você está passando pela avenida principal da sua cidade como todos os dias. Normalmente o trânsito é tranquilo mas, naquele dia, você se depara com um congestionamento sem precedentes.

Ansioso, pois você precisa chegar logo à empresa para concluir a liberação de uma entrega, você liga o rádio e descobre que o trânsito está interrompido pois manifestantes ocuparam a via nos dois sentidos – e não há notícias de que irão sair tão cedo.

No entanto, você precisa ir pessoalmente fazer a liberação das mercadorias até as 10:00h da manhã, sem o que a entrega irá atrasar e, com isso, haverá a incidência de uma multa pesadíssima.

Do outro lado da cidade seu cliente está esperando a entrega da compra na hora combinada e ele também possui outros compromissos que dependem de você cumprir seus prazos contratuais. Se você falhar na entrega, ele é quem pagará multas pesadas aos clientes dele.

De um lado temos um comprador que pagou pela mercadoria e quer receber no prazo contratado. De outro temos um fornecedor sério que quer entregar mas está impossibilitado de cumprir sua obrigação devido a um fato alheio à sua vontade: a manifestação.

No meio dos dois um contrato e uma série de prejuízos. Enfim, o que diz a lei civil nessa situação?

É aí que entra a figura do caso fortuito e da força maior.

Tidos por alguns como sinônimos e por outros como termos técnicos distintos, os conceitos de caso fortuito e força maior se assemelham e significam a existência de uma situação inevitável.

Admite-se uma pequena distinção que se daria em relação à previsibilidade: enquanto o caso fortuito seria totalmente imprevisível (ex: coronavírus), os casos de força maior seriam previsíveis (ex: tempestades, raios, guerras, manifestações etc).

Independente de serem ou não previsíveis, o fato é que sendo inevitáveis geram consequências jurídicas para os contratos existentes.

Qual a consequência prática?

Toda vez que houver a caracterização de uma situação de força maior ou caso fortuito a lei dará tratamento especial aos contratos.

Se refletirmos bem, o direito e os contratos têm um objetivo principal que é dar estabilidade às relações humanas.

Uma vez presentes as figuras do caso fortuito ou força maior essa estabilidade fica naturalmente abalada.

É nesse contexto que o Código Civil contém uma previsão excepcional: a de que o devedor não responde pelos prejuízos resultantes de caso fortuito ou força maior, salvo se houver expressamente se responsabilizado.

Existem, contudo, exceções e veremos elas adiante. Antes, porém, falaremos um pouco sobre a caracterização de situações desta natureza.

Quando sei se uma situação é um caso fortuito ou força maior.

Muitas vezes a linha que separa o caso fortuito ou força maior é tênue.

Há alguns casos que são muito evidentes: a pandemia do coronavírus Covid-19 nos parece ser uma delas.

Fenômenos da natureza, greves gerais (ex: greve dos caminhoneiros), calamidades públicas, guerras etc também são eventos de fácil constatação.

Mas vamos voltar ao nosso exemplo inicial deste texto em que o trânsito foi interrompido pela manifestação: seria caso fortuito ou de força maior para você? Ou depender de autorização de uma única pessoal – e além do mais, presencialmente, seria um ato de desorganização da empresa vendedora?

O fato é que nem sempre a caracterização é tão simples para todos.

Usa-se muito a expressão de que o “bom senso” definirá o que é caso fortuito ou força maior no caso a caso, mas nada pior do que se valer de conceitos subjetivos para definir uma situação.

O “bom senso” para um não necessariamente correspondente ao “bom senso” do outro – e aí está instalada a discórdia.

Quando existem atos do Poder Público determinando determinadas ações ou omissões (ex: restrição de circulação), fica mais fácil comprovar a situação. Notícias de jornais de ampla circulação também podem ser úteis.

Uma forma de escapar desse dilema fazer uma gestão de crise profissional, conduzindo comunicados planejados ao público e fornecedores, dirigindo negociações eficazes com clientes e buscando o reequilíbrio contratual que foi quebrado pelo caso fortuito ou força maior.

Essas ações, se bem conduzidas, tendem a eliminar processos judiciais, mas sempre há o risco de que estes ocorram. Por isso é importante, também, construir um dossiê de provas durante a gestão de crise pois ele pode ser muito útil no futuro.

É essencial, nesta situação, a participação da assessoria jurídica. Ela apoiará a tomada de decisões corretas e, principalmente, colocará foco na gestão de riscos futuros e prevenção de litígios – quanto maior for o sucesso da gestão de crise, menor será o risco de ações judiciais no futuro.

Faz diferença a minha posição, se comprador x vendedor (ou se cliente x prestador)?

A lei fala genericamente da posição de “devedor” ao se referir que este não responderá pelos prejuízos causados pelo caso fortuito ou força maior.

Dessa forma, não importa a posição contratual que você ocupe no contrato. Se você for “devedor”, não irá responder pelos prejuízos decorrentes do caso fortuito ou de força maior.

É importante ressaltar, contudo, que além das exceções legais que veremos abaixo, nem sempre a outra parte do contrato irá aceitar isso de forma espontânea.

Por isso é essencial que você conte um advogado experiente na gestão de crise – a estratégia jurídica nestes casos faz toda a diferença entre o sucesso e o insucesso de uma negociação.

Exceções legais

A lei prevê algumas situações em que, mesmo decorrentes de caso fortuito ou força maior, o devedor responderá por ela.

A primeira delas é situação em que a mora ou atraso ocorreu antes da verificação da situação imprevisível. Neste caso, embora o fato possa vir a atrasar ainda mais a entrega do produto ou serviço, esse atraso “extra” não prevalece sobre o original.

Um exemplo dessa situação seria o atraso na entrega de uma determinada mercadoria e, durante este atraso, ser deflagrada uma greve de caminhoneiros. Neste caso, o atraso originário prevalece para fins de apuração do prejuízo, como se a greve não existisse.

Além disso, nos casos de contrato de locação, se o dono da coisa notificar o locatário e este não a devolver no prazo, eventuais prejuízos serão de responsabilidade deste, mesmo se decorrentes de caso fortuito ou força maior.

Nos contratos de comodato (empréstimo de coisas móveis), a pessoa que recebeu o bem em empréstimo também responde pelos prejuízos se, tendo a possibilidade de salvar seus próprios bens pessoais ou o bem emprestado, preferir os seus.

Seria o caso, por exemplo, de uma enchente: se você preferir salvar os bens particulares a água levar os bens emprestados, neste caso o caso fortuito ou força maior não o liberaria da obrigação de indenizar.

Por fim, nos contratos de mandato e gestão de negócios, o procurador ou gestor responderá pelos prejuízos sempre que exceder os poderes ou a prática comum dos atos do dono da coisa gerida.

Portanto, cada situação tem suas especificidades e consultar um advogado experiente para que ele lhe dê uma orientação adequada é o melhor caminho para evitar problemas futuros.

O coronoavírus Covid-19 pode ser considerado caso fortuito ou força maior?

Ao nosso ver o coronavírus Covid-19 é uma situação que claramente caracteriza caso fortuito ou força maior. A situação, inclusive, está sendo declarada como calamidade pública em vários países do mundo.

Não se recorda na história recente de situações que geraram toques de recolher globais como está ocorrendo com a pandemia do coronavírus Covid-19.

Além disso, o coronavírus Covid-19 está mudando a história da própria humanidade o que o torna um fato suficientemente relevante e imprevisível a ponto de caracterizá-lo como caso fortuito ou força maior.

Mesmo assim, há situações que não necessariamente serão assim consideradas e há algumas correntes no sentido de que o coronavírus Covid-19 não seria considerado como caso fortuito ou de força maior para todos os negócios.

Existem sim grandes chances de que a jurisprudência futura se fixe no sentido de que o coronavírus Covid-19 se caracterizou como uma situação de caso fortuito ou força maior para a maioria das situações.

Acreditamos que, inclusive nos casos em que há alguma controvérsia como na discussão da legalidade sobre home office compulsório durante o período da crise, haverá uma posição que o entenda como permitido.

Mesmo assim, as cautelas jurídicas são necessárias para se minimizar riscos.

Além disso, o futuro é incerto e o transcurso do tempo impede que medidas preventivas sejam tomadas. O ideal é buscar orientação especializada e, com isso, minimizar os riscos futuros.

Como fazer a gestão de crise

A primeira coisa a se fazer é levantar os contratos possivelmente impactados e cataloga-los, sejam eles escritos ou não (mesmo os verbais devem constar da lista).

Depois, analisar cada um dos documentos é essencial, para tentar identificar se existe cláusula tratando de caso fortuito ou de força maior nos mesmos.

Para os casos em que não existam essas cláusulas, é importante mensurar qual é o valor das multas aplicáveis pois isso cria o cenário do risco máximo possível e dá o panorama das negociações.

Daí em diante é montar o plano de ação, que deverá envolver, no mínimo, os seguintes elementos: a redação de comunicados ao mercado, notificações aos fornecedores, informações aos clientes, aditivos contratuais, definição de estratégias de negociação, montagem de dossiês para usos futuros e ajuizamento ou defesa de ações judiciais imprescindíveis.

Todos esses documentos têm impacto jurídico futuro e devem ser escritos pensando em riscos processuais em potencial. Um documento redigido de forma equivocada pode ser pior para a empresa do que a crise causada pelo coronavírus Covid-19 em si.

No entanto, com base em ações planejadas e estratégias e com o apoio de um advogado experiente e de sua confiança você terá totais condições de sair da crise mais forte do que entrou – e sua empresa terá ainda mais credibilidade no mercado.


Gostou desse artigo? Durante a crise do coronavírus Covid-19 enviaremos materiais exclusivos e gratuitos para ajudar você a lidar com a crise. Quer recebê-los? Informe o seu e-mail no campo abaixo e clique em enviar.

 

Quer dar uma sugestão de tema para um artigo? Entre em contato conosco ou mande sua mensagem diretamente em nosso WhatsApp. Você também pode conhecer alguns que já estão em nosso site:

Você Tem Uma Dúvida Específica em Sua Empresa?
Pergunte para a Gente, É Grátis:

Preencha o formulário abaixo para entrar em contato agora!