Quais são as formas de cobrança de dívidas?

Quais são as formas de cobrança de dívidas?

Formas de Cobrança

Entenda quais são as formas de cobrança de dívidas e como um serviço terceirizado pode ser útil para sua empresa.

Dívida é uma palavra que nenhum empresário deseja ter em seu vocabulário, pois corresponde ao principal motivo para a empresa encerrar suas atividades.

Pior ainda é identificar dívidas de clientes ou parceiros comerciais, que acabam influenciando negativamente seu fluxo de caixa.

Por isso, o empresário precisa tomar algumas atitudes para que não tenha prejuízos ou ao menos possa reduzir os débitos a receber.

Como reduzir a inadimplência com medidas administrativas?

Uma das soluções que pode ser tomada é criar uma cultura de cobrança mais efetiva dos clientes inadimplentes.

Uma empresa que não cobra as dívidas de seus clientes e parceiros prejudica seu fluxo de caixa, uma vez que não poderá contar com aquela quantia.

Não sendo cobrados, muitos clientes podem se aproveitar da situação para não pagar.

E não é raro identificarmos isso: muitas vezes o cliente paga e a empresa simplesmente não cobra!

Tal fato se torna perigoso para a empresa credora. Pense bem: se o cliente está lhe devendo, provavelmente você não é único.

E na hora de decidir quem pagar, quem você acha que ele vai escolher? Aquele credor que insiste em receber aquilo que lhe é de direito ou aquele que não se preocupa com isso?

Não tenha dúvidas: dentre as formas de cobranças existentes, a insistência é a primeira delas e não deve ser descartada sob nenhum pretexto!

Quais os riscos de não cobrar?

Além do fato de que o cliente vai sempre privilegiar aquele credor insistente, passados mais de cinco anos sem que seja cobrada a dívida, ocorrerá a prescrição.

E prescrição, em termos mais simples, implica a perda do direito de cobrar judicialmente a dívida.

É muito comum encontrarmos empresas que têm valores a receber e que, ao não cobrar, vêem a dívida simplesmente prescrever! Isso é dinheiro jogado no ralo!

Sem dúvida, é um risco que a empresa podxe e deve evitar.

Mas, quais as formas de cobrança?

Não, nós não estamos falando de mera cobrança telefônica ou por email. Sim, esta forma é válida, mas há diversas formas de cobrança mais eficazes de dívida, como protesto do nome do devedor em cartório e envio de notificações extrajudiciais.

Outros exemplos são a inscrição no cadastro de inadimplentes (SERASA/SPC) e ajuizamento de ações de cunho executivo, entre outros.

Essas são formas de cobrança mais efetivas do que apenas ligar para o devedor cobrando a dívida, visto que tais medidas podem causar diversos entraves ao destinatário.

Um dos entraves é o impedimento de participação em processos licitatórios com o Poder Público. Há também impedimentos à realização de empréstimos bancários, além da própria mácula do nome da pessoa (física ou jurídica) no mercado.

Enfim, todos são meios que levam o devedor a uma situação constrangedora em razão da inadimplência. São formas legais de tentar forçá-lo a cumprir com seu dever de pagar.

Todavia, cada um desses atos deve ser praticado dentro dos limites da lei.

Caso contrário, o credor é que poderá ser acionado em juízo pelo devedor e ser ainda condenado ao pagamento de honorários de sucumbência. E este claramente não é seu objetivo.

Por isso, é importante que a empresa credora possa contar com o auxílio de profissionais especializados em cobrança. Tais profissionais irão orientar sobre quais atos o credor pode ou não praticar, evitando riscos desnecessários.

Cobrança interna ou terceirizada?

Veja que o empresário pode contar com um setor interno de cobrança, o que geralmente acontece.

Se optar por esta linha de trabalho, precisará promover a contratação de funcionários, o pagamento de encargos trabalhistas e a capacitação por meio de treinamentos, para o eficaz exercício da atividade.

Enfim, muitas vezes, a contratação de um setor comercial poderá sair muito cara para o empreendedor que já está com dificuldades financeiras.

Colocando tudo isso em perspectiva, torna-se vantajosa uma outra alternativa, que é a contratação de um serviço de cobrança terceirizado.

Um serviço que conte com um corpo de advogados especializados em cobrança de todas as formas, extrajudicial e judicial, será imprescindível para que o credor possa tomar a melhor decisão, com menor risco e maiores chances de êxito.

Como o escritório de advocacia pode ajudar?

Veja que, muitas vezes, o credor procura um escritório de advocacia apenas quando não consegue visualizar outra alternativa para resolver o problema.

Todavia, se tivesse sido devidamente orientado por advogados especializados sobre as formas de cobrança, possivelmente não teria ficado tanto tempo sem receber.

Por certo que o empreendedor não precisa ter conhecimentos técnico-jurídicos no que tange à cobrança, pois seu papel é manipular conhecimentos agregados nos campos comercial, de negociações e marketing. Enfim, setores que são diretamente relacionados à gestão de seu negócio.

O conhecimento jurídico, por ser muito específico, geralmente não é (e nem deve ser) uma das preocupações ou especialidades do empreendedor, que deve se valer de mão-de-obra especializada para apoiá-lo.

Por isso mesmo é que se deve procurar a orientação de um advogado para atuar preventivamente, ou seja, não só para cobrar as dívidas pendentes, mas também para mapear as operações internas da empresa e verificar se estão todas de acordo com os requisitos legais.

Assim, o escritório terceirizado pode não só resolver problemas já consumados como também propor soluções para evitar que novos problemas surjam, reduzindo o custo operacional da empresa.

Reduzidos os custos, a empresa terá mais dinheiro em caixa para investir em seu objeto social, melhorando a atividade exercida. Assim, poderá se destacar no mercado pelo serviço de qualidade e dentro dos parâmetros legais.

Por isso, o empreendedor preocupado com a saúde de seu negócio deve investir um pouco mais de tempo para entender melhor suas necessidades e analisar a pertinência de ter o apoio de um jurídico eficaz.

Esperamos você tenha esclarecido suas principais dúvidas a respeito deste assunto e por isso separamos outros textos que talvez possam lhe interessar:


Gostou desse artigo? Receba as novidades mais recentes para reduzir seus riscos jurídicos informando seu email abaixo: